Home Notícias Testemunha afirma que foi abusada sexualmente por assassino da copeira Dilma, em 2010

Testemunha afirma que foi abusada sexualmente por assassino da copeira Dilma, em 2010

5 min read
0
0
184

Na última quinta-feira (16), o corpo de uma mulher de 45 anos foi encontrado sob o sofá da casa de um homem, identificado como Wellington Santos Borges. Dilma era copeira no Hospital Samaritano de São Paulo e foi abordada por volta das 4h20, enquanto caminhava para o ponto de ônibus. Imagens de uma câmera de segurança ajudaram a polícia a identificar o agressor.

De acordo com publicação do G1, o delegado Christian Nimoi, titular do 2º Distrito Policial de Taboão, conta que ao chegar na casa do homem, foram encontrados uma bolsa do hospital, objetos pessoas e o corpo debaixo do sofá embalado no saco plástico com fita.

A polícia realizou contato com o criminoso por telefone, que após negociação, resolveu se entregar. “Ele acabou confessando que ele queria na verdade roubar. Só que, como ela começou a gritar, ele teria se desesperado e praticado a morte. Ele nega a violência sexual”, disse o delegado.

Com histórico de abusos sexuais, o suspeito já teria sido preso em 2010 acusado de estupro, solto em 2012, voltou a cometer o crime no início deste ano e estava foragido da polícia.

2010

Uma das testemunhas do caso de Wellington conta já foi vítima de abuso sexual no ano de 2010, na cidade de Embu das Artes, São Paulo. Na época, a mulher tinha apenas 18 anos. As informações são da Record TV.

Ela voltava da faculdade e descia num ponto de ônibus na Avenida Regis Bittencourt. Para chegar ao bairro que morava, tinha que atravessar toda a passarela, que era o principal caminho de acesso. Geralmente, fazia o caminho sozinha e ligava para mãe para avisar quando estava chegando. Desta forma, a senhora caminhava algumas quadras e esperava pela jovem próximo a uns comércios da região.

Em destes dias, Wellington abordou a estudante enquanto caminhava na rua. Ele começou a caminhar ao lado dela durante todo o percurso, lhe fazendo ameaças. Ele segurava algo dentro do casaco, que a jovem não conseguiu identificar se era um arma ou não.

O homem manteve o braço por cima do ombro da vítima, como fez com todas as demais. Era uma estratégia de disfarce para não chamar atenção de quem estivesse passando pela rua. Mas, ao chegar em frente a sua casa, Wellington deu um golpe “mata-leão” na jovem, que quase desmaiou.

Fraca, ela foi arrastada para dentro da casa, onde permaneceu por quase duas horas sofrendo abusos. Sob muitas ameaças, a jovem foi liberada após prometer que não contaria nada do que tinha acontecido para a polícia.

Ao ser liberada, saiu pela rua escura, sozinha e chorando. Ao chegar em casa, imediatamente contou aos pais o que havia acontecido. Eles procuraram ajuda da polícia, que ao se encaminharem ao local do crime, não encontrou ninguém. Wellington já tinha se mudado.

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar Mais Por projetus
Carregar mais em Notícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vejam também

Área de lazer é inaugurada na Vila Ruy Barbosa em Salvador

Uma nova área de lazer foi inaugurada no bairro de Vila Ruy Barbosa, na Cidade Baixa, na n…