Home Notícias Ex-secretário de Alckmin mandou destruir documentos, diz auxiliar

Ex-secretário de Alckmin mandou destruir documentos, diz auxiliar

10 min read
0
0
181

O ex-secretário de Logística e Transportes do governo de Geraldo Alckmin (PSDB), Laurence Casagrande, mandou triturar documentos dentro do órgão público quando estava no cargo, segundo o depoimento de uma secretária à Polícia Federal. A Folha obteve uma cópia do documento sigiloso.

O relato da secretária foi um dos motivos citados pela juíza Maria Isabel do Prado, da 5ª Vara Federal Criminal de SP, para decretar a prisão por tempo indeterminado do ex-secretário.

Também ex-presidente da Dersa, estatal paulista que administra rodovias, Casagrande foi preso com outros investigados no último dia 21, sob suspeita de ter atuado num esquema que resultou no superfaturamento de cerca de R$ 600 milhões na obra do Rodoanel Norte, segundo o TCU.

O Rodoanel é uma das vitrines de Alckmin, pré-candidato à Presidência pelo PSDB.

A secretária que narrou a destruição de supostas provas, Tatiana Mendes Campos, 33, foi voluntariamente à Polícia Federal contar sobre a ordem que teria recebido de Casagrande para triturar documentos. Ele diz que executou a tarefa junto com outra secretária, Valdineia Pavani.

Tatiana, que trabalhou por 11 meses com Casagrande na pasta dos Transportes, disse o seguinte: “Que os documentos a serem destruídos pela depoente e Valdineia foram separados pelo próprio Laurence e entregues à depoente em sua sala; que seguindo a ordem superior efetivou a destruição de todos os documentos sem saber o seu conteúdo, como de praxe”.

De acordo com a secretária, foi a única vez que Casagrande deu uma ordem dessa natureza a ela.

Ao deflagrar a operação em junho deste ano, os policiais descobriram na caixa de emails de Casagrande uma mensagem, datada de 12 de dezembro de 2017, em que ele determinava a destruição de documentos. Tatiana disse à PF que o email era verdadeiro e que foi a partir desta mensagem que ela a Valdineia trituraram os documentos separados pelo então secretário de Transportes.

Os policiais perguntaram se era normal a destruição de documentos naquela época do ano. Tatiana respondeu que não. Segundo ela, essa operação ocorre quando um secretário está deixando o cargo, o que só ocorreu no caso de Casagrande em abril deste ano, mais de quatro meses após a mensagem que ordenou a destruição de papéis.

Casagrande também destruiu documentos por conta própria, segundo a secretária, numa trituradora que tinha na sua sala.

De acordo com Tatiana, “era comum ele pedir para chamar a ‘moça da limpeza’ para limpar sua trituradora”.

Isso ocorreu entre o início deste ano e abril, quando Casagrande deixou o cargo na Secretaria de Logística e Transportes e foi nomeado presidente da Cesp (Companhia Energética de São Paulo).

Segundo ela, havia rumores na secretaria de que ele deixaria o cargo por causa das mudanças políticas: Márcio França (PSB) assumiria o governo em 6 de abril com a decisão de Alckmin de se candidatar à Presidência e a pasta seria entregue a outro grupo político. Foi o que de fato aconteceu na Secretaria de Transportes: saiu Casagrande, ligado a Saulo de Castro (secretário de Governo), mais próximo a Alckmin, e a pasta foi entregue ao PR.

A secretária afirma no depoimento que “quer consignar que sempre teve Laurence como uma pessoa muito séria e que assim que o mesmo tomou posse na Dersa fez uma grande reformulação no código de ética da empresa”. A Secretaria de Transportes e a Dersa funcionam no mesmo prédio.

Vários tucanos davam como certa a soltura de Casagrande quando ele foi preso por cinco dias porque consideravam frágil a acusação de que ele assinou contratos superfaturados e teria sido conivente com o suposto esquema de superfaturamento no Rodoanel. Ele é apontado como um aliado ético do partido.

O que mudou a situação de Casagrande foi a menção que os procuradores federais fizeram no pedido de prisão ao depoimento prestado pela secretária sobre a destruição de documentos.

Advogado afirma que seu o cliente jamais triturou provas.

OUTRO LADO
O advogado de Laurence Casagrande, Eduardo Carnelós, diz que seu cliente nunca destruiu provas, mas papéis sem valor. Segundo o advogado, quando Casagrande deu a ordem de destruição, em 12 de dezembro de 2017, ele não sabia que era investigado.

O advogado afirma que a outra secretária, Valdineia, mais graduada, já disse à PF que os papéis não tinham mais utilidade alguma. “Todo executivo tem uma trituradora. Ele destruiu papéis que deveriam ser fragmentados.”

Segundo Carnelós, a PF não queria manter a prisão de Casagrande, mas a procuradoria pediu a medida “para manter a grife da Lava Jato”.

A Secretaria de Logística e Transportes diz em nota que a pasta segue um decreto estadual (48.897, de 2004), “que rege toda a administração, efetuando o descarte, que pode ser por meio da fragmentação manual ou mecânica”.

Prossegue a nota: “No caso da Dersa, mensagem eletrônica de julho de 2014 orienta a fragmentação de papéis para reciclagem”.

Ainda segundo a secretaria, “o código de ética da companhia determina respeito à propriedade intelectual da empresa e de terceiros. Portanto, anotações e informações devem ser descartadas”.

A campanha de Alckmin diz que ele apoia as apurações.

Carregar Mais Artigos Relacionados
Carregar Mais Por projetus
Carregar mais em Notícias

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Vejam também

Além de chuva no feriado, Salvador tem previsão de ventos fortes nos próximos dias

A Marinha do Brasil mantém todos os avisos de mau tempo em vigor em seu site. Adicionalmen…